// Sinais positivos no crédito imobiliário, que somou R$ 4,3 bilhões em junho

Em junho, os financiamentos imobiliários concedidos pelos agentes financeiros com recursos das cadernetas do SBPE somaram R$ 4,3 bilhões, segundo melhor mês do ano, com aumento de 9,5% em relação a maio (R$ 3,9 bilhões). Comparativamente ao mesmo período do ano passado, o volume foi 27,3% menor.

Contudo, entre o primeiro e o segundo trimestre de 2016, houve uma ligeira melhora do patamar de financiamentos imobiliários (no SBPE), com aumento de 7% nos valores contratados. Apesar dos primeiros meses do ano serem sazonalmente com menor atividade, há leves sinais de que o patamar de financiamentos no SBPE não só começou a se estabilizar como já sugere uma inflexão positiva.

No primeiro semestre de 2016, os financiamentos atingiram R$ 22,6 bilhões, montante 49,5% inferior ao apurado em igual período de 2015.

No acumulado dos últimos 12 meses (de julho de 2015 a junho de 2016), R$ 53,4 bilhões foram destinados à aquisição e construção de imóveis com recursos das cadernetas de poupança do SBPE, retração de 48,9% em relação ao montante apurado nos 12 meses precedentes.

Financiamentos Imobiliários – Unidades

Em junho, 19,7 mil imóveis foram financiados nas modalidades de aquisição e construção, refletindo crescimento de 5,9% sobre os 18,6 mil imóveis financiados em maio. Comparado a junho de 2015, houve queda de 23%.

Na comparação entre o primeiro e segundo trimestre de 2016, houve crescimento de 10% no número de unidades financiadas, refletindo estabilização do patamar de unidades viabilizadas pelo crédito.

Entre janeiro e junho, foram financiados 100,5 mil imóveis, 49,7% menos do que em igual período de 2015, quando 199,9 mil unidades foram objeto de financiamento bancário.

Nos últimos 12 meses, até junho, o crédito imobiliário propiciou a aquisição e a construção de 242,1 mil imóveis, número 49,7% inferior ao dos 12 meses anteriores.

Poupança SBPE: Captação Líquida

Em junho de 2016, os saques nas cadernetas de poupança voltaram a superar os depósitos, resultando em captação líquida negativa de R$ 2,79 bilhões.

Como já mencionado em comentários anteriores, a taxa Selic de 14,25% ao ano registrada desde julho de 2015 tem efeito negativo sobre a competitividade das cadernetas frente à maioria das aplicações financeiras com renda prefixada.

É o que explica o fato da caderneta de poupança ter mostrado captação líquida negativa em todos os meses do ano, resultando em perdas acumuladas de R$ 34,7 bilhões no primeiro semestre.
Uma retomada da captação das cadernetas depende da redução da taxa Selic, como já preveem analistas econômicos para o semestre em curso.

Poupança SBPE: Saldo

Os saldos da poupança no SBPE refletem as sucessivas saídas líquidas ocorridas ao longo de 2016. Em junho, o saldo das cadernetas de poupança no SBPE foi de R$ 493,3 bilhões, com redução de 2,1% comparativamente ao mesmo período do ano passado.

Da Redação.

Compartilhe nas redes sociais
Highslide for Wordpress Plugin